DICIONÁRIO SETUBALENSE



Um velho marreta fez-me chegar um dos mais completos dicionários de charroquês-português que já tive oportunidade de ler, com a vantagem de ter uma explicação sobre a origem do dialecto setubalense.
Aqui fica:
Pa todes aqueles qe nã perrcebem nada sobrre a fala dos setuvelenses ou pa todes aqueles qe gostavam de saberr más da forrma côme falames, aqui fica uma parrte do mê trrabalhe da  faculdade da cadêrra de Comunicaçãume Patrrimóne Literrárre sobrre o dialécte setuvelense, có teorrias p'rrá sua orrige, parrticularridades da fonética da nossa fala, um dicionárre de palavrras e frrases tipicas.
Teorias para a origem 
Relativamente à influência de franceses no sotaque setubalense, nomeadamente no carregar dos "erres", existem duas teorias conhecidas, e ambas do século XIX: a das invasões napoleónicas a Portugal e a teoria das fábricas conserveiras de Setúbal geridas por franceses, durante a revolução industrial.
Influência dos fluxos migratórios
Apesar de o setubalense ser conhecido por carregar nos "erres", este sotaque, só é praticamente notado nos setubalenses mais idosos, já que grande parte dos setubalenses mais jovens (abaixo da faixa etária dos 45 anos) não tem esse sotaque, mas sim, vários dialectos consoante o bairro de Setúbal, em que o indivíduo está inserido.
Enquanto o extremo oriental da cidade constituído pelo Bairro Santos Nicolau e das Fontainhas, era habitado por gentes vindas do norte do País, em especial da zona da Ria de Aveiro, como a Murtosa, Ovar e Aveiro, e que normalmente vinham para pescar nos seus próprios barcos, mas também para trabalhar nas fábricas de conservas; Por isso a tendência natural das pessoas destes bairros, típica das pessoas do norte, de utilizar sonoridades nasais quando a mesma não se justifica, como por exemplo, em palavras como peru, gente, mesa, tijela, ou quente, e que são ditas, acentuando a sua nasalidade, por pirum, geinte, menza, t'jala ou queinte.
Já o extremo ocidental da cidade, constituído pelo Troino e pelos bairros da freguesia da Anunciada (Viso, Fonte Nova, Palhavã, etc.), era habitado por gentes vindas do Algarve, para trabalhar nos cercos e nas fábricas de conservas de peixe. Por isso a tendência dos descendentes destes bairros, fecharem as vogais, com a maior evidência do "o" transformado em "e" no final das palavras, já que acaba por ser comum a quase todo o Sul de Portugal, com maior destaque para o Algarve, onde os "marafades" são o expoente máximo.
Conclusão
As derivações que permitem depois a riqueza do "dialecto sadino", acabam certamente por estar directamente relacionadas com a forte ligação do povo setubalense ao mar, e à pouca instrução escolar que durante anos marcou a sociedade setubalense, e que permitia facilmente a proliferação de expressões inventadas com palavras adaptadas popularmente às necessidades.
A única certeza, que podemos dar como certa, é que nenhuma das teorias da origem, terá marcado, individualmente, tanto a forma de falar dos setubalenses, porque a forma de falar à setubalense, faz a mistura dos sotaques do algarvio, do nortenho e também do francês. A partir daí, a sua extensão a toda a população setubalense tornou-se fácil e natural, até porque a "musicalidade" intrínseca à verbalização destas expressões, deve-se principalmente à conjugação da grande maioria dos termos, que mais fortemente ficaram agarrados no processo da evolução deste dialecto sadino.

Dicionário Setubalense

A

À babuje - À mercê, disponível para apanhar... também com a variante "à mamuja" mais utilizada no futebol, que advém da conjunção de "à babuje" com "à mama".

Abafar - Roubar.

Acaçar - Verbo que significa apanhar, agarrar, acertar.

Agente - Nós.

Alcaboz - Caboz, tipo de peixe.

Alguidarre - Alguidar

Amainar - Colher as velas da embarcação; vento a enfraquecer.

Amandar - Verbo (eu amando, tu amandas, ele amanda, nós amandamos, vós amandais, eles amandam...).

Amanhar - Preparar o peixe para ser cozinhado ou vendido; pôr a camisa para dentro das calças.

Apá - Epá.

Aparra-lápes - Apara-lápis (peixe usado para farinhas e adubos).

Armar - Preparar as armações para apanhar pássaros; colocar no mar, os ferros, bóias e as redes para apanhar o peixe.

Áróles - Pessoa que usa óculos.

Arraia - Raia; azelhice.

Arrebentado - Cansado; roto; partido.

Arreia - Areia.

Arrematar - Injuriar; oferecer o último lance na licitação do peixe.

Arrenalde - Arnaldo.

Arrepêze - Arrependido.

Atão - Então.

Atazanar - Chatear, aborrecer.

Atorrmentade - Pessoa com problemas.

Áua - Ayew (jogador do Vitória).

Avaler - Muito.

Azête - estás safo.

B

Babuje - Baba, de aspecto viscoso.

Bálhe - Baile.

Bandêrrinha - Árbitros auxiliares do futebol ou as suas bandeirolas.

Barraquerre - Pessoa que gosta de armar confusão para ser notado (barraqueiro).

Barque - Barco.

Barron - Homosexual.

Basculhe - Estúpido, palhaço, parvo.

Batajol - Pedra.

Bêces - Boca.

Begalhe - Bogalho, berlinde.

Benite - Bonito; lindo.

Bessiclete a motorr - Motorizada.

Bichaninhas - Pequenos cartuchos que se incendiavam.

Binócles - Binóculos.

Bisgo - Substância pegajosa usada para apanhar pássaros.

Bogalho - Berlinde.

Bola de catechumbe - Bola de futebol em couro.

Bote - Pequeno barco.

Bufas de lobo - Tiras que se raspavam nas paredes.

Bute - Vamos.

C

Ca - Do que a; com a.

Cabe marr - Polícia marítimo.

Cabina - Compartimento do porão onde está instalado o motor da embarcação; casa da máquina; gabine.

Caçimba - Orvalho, chuva miudinha.

Cafeterra (ou cafeteira) - Bêbado.

Cagalête - Nome dado aos nossos vizinhos de Sesimbra.

Cagaço - Susto; medo.

Cagão - Vaidoso; sortudo.

Cagorra - Que agora.

Cagalhão da Marí'esguêlha - Promontório geológico situado a norte da praia de Albarquel.

Cagandas - Que grandes.

Cal - Qual.

Calhasada - Pedrada.

Calhotas - Carlos.

Calotas - Carlos.

Calotes - Não pagar.

Câmbra - Câmara Municipal.

Cámané - Carlos Manuel.

Caminête - Autocarro.

Camone - Forasteiro, estrangeiro, turista.

Caparro - Corpo ou físico de alguém.

Carpa - Mergulhar como um peixe, a carpa.

Carramel - Palmelão.

Caxêrro - Caixeiro, individualista a jogar à bola.

Cê - Se.

Charro do Alto - Carapau grande.

Chibar - Contar algo a alguém; acusar.

Chôque - Choco.

Co - Do que o; com o.

Coche - Um bocado; uma parte.

Comó - Como o.

Companhêrre - Amigo.

Correrre - Correr.

D

Da - Na.

Daquele/daquela - Naquele/naquela.

Denhum - Nenhum.

Dempé - Em pé.

Desempacharr - Não atrapalhar/facilitar.

Deslarrga-me - Larga-me.

Desmarrecade - Desmarcado.

Desmoer - Moer.

Desolha - Não olhes; olha para outro lado.

Dessa/desse - Nessa/nesse.

Desta/deste - Nesta/neste.

Destemido - Corajoso, cheio de genica.

Disse - Nisso.

Diste - Nisto.

Do/da - No/na.

Dromir - Verbo dormir (eu drumo, tu dromes, eles drome, nós dromimos…).

Dum - Num.

Dumidade - De humidade.

E

Ê - Eu.

Embarrcado - Trabalhador da Marinha Mercante.

Empachada - Grávida; inchada.

Emprenhar - Engravidar.

Encharroques - Charrôcos (peixe).

Endrrogades - Drogados.

Engonhade - Tipo doente, incapaz, burro ou totó.

Engonhar - Perder tempo, passar tempo, não fazer nada.

Enhagórra! - Expressão que, invariavelmente, indica espanto, incentivo, ou simplesmente, para espicaçar.

Enquelhidas - Encolhidas.

Enterrciam-se - Torciam-se.

Enzole - Anzol.

Érem - Eram (verbo ser).

Errominas - Eurominas.

Espatar – Espetar (verbo espetar).

Espelhado - Tipo de bogalho com superfície espelhada, mas cujo revestimento deixava sempre entender a cor original do vidro.

Esquilha – Petinga (sardinha pequena).

Estalinhos - Pólvora misturada com areia envolta em papel de seda colorido.

Estante - Instante.

Estiverem - Estejam (verbo estar).

F

Falquêrro - Aldrabão, mentiroso, vigarista, batoteiro.

Fantochada - Palhaçada; estupidez.

Fantoche - Palhaço; estúpido.

Fato de oleado - Vestuário feito de pano embebido em óleo de linhaça para o impermeabilizar, é constituído por calças e casaco com capuz.

Fega - Indivíduo que é um grande chato.

Ferrado - Concentrado; ferrado a dormir - dormir profundamente.

Ferribote - Ferry-boat em "estrangere" ou a junção de ferro+bote = ferroebote, que evoluiu para o actual ferribote; homossexual que gosta tanto de levar como de ir (atraca dos dois lados).

Fómica - Avarento; egoísta; sovina; pessoa que passa fome para não gastar dinheiro.

Forem - Foram (verbo ir).

Fôtes - Foste.

Fusco - Pessoa de pele muito morena (de raça negra).

G

Gajinha - Namorada ou miúda.

Gajinho - Miúdo, garoto, catraio, gaiato.

Gasoline - Embarcação de pesca (traineira mais pequena).

Gemenia - Velha muito chata e que só dizia mal de todos; dito para insultar alguém.

Grãsinhe - Grão.

I

Iákine - Yekini (jogador do Vitoria).

Irre - Ir.

Irrozes - Plural de Eiró, da família da enguia mas menos encorpada.

Inté - Até.

Irem - Foram (verbo ir).

J

Janado - drogado.

Janrro - Genro.

Javardice - Porcaria, está tudo sujo.

L

Labasqueiro - Indivíduo porco, sujo ou imundo.

Labasquice - Porcaria; sujidade; imundice.

Labutes – Setúbal, dito ao contrário.

Lésss - Idalécio.

Lestada - Uma borla.

Lójem - Loja.

Lota - Local de venda do pescado.

M

Má - Mais.

Máiongue - Meyong (jogador do Vitória).

Malembra - Me lembra.

Malta - Pessoas.

Mane - Amigo; serve para interpelar alguém.

Mánica - Máquina.

Marralhas - Último a lançar no jogo do berlinde.

Mârréis - Mil réis; usada para dizer uma quantia monetária em escudos.

Marreq - Marreco; pessoa enfezada.

Massacote - Manguito, besugo pequeno (peixe).

Mazé - Mas é.

Mê - Meu.

Mérreda - Merda.

Messas - Antes de um joguinho de bola para escolhermos os jogadores para a nossa equipa, tínhamos que "tirar messas", em que dávamos pequenos passos, pé ante pé, até chegar junto ao pé do outro elemento, pronunciando "pica" ao que o outro respondia "pau". Para sermos o 1º a escolher, tínhamos que pisar o pé do outro, acima da biqueira do ténis. Se fosse só na biqueira, gritava-se "bicas" e teria que repetir-se.

Mestre - Responsável máximo de uma traineira.

Mete-nojo - Indivíduo desprezível; inconveniente; desmancha-prazeres.

Miga - Amigo; serve para interpelar alguém.

Mirrarrr - Dependendo do contexto pode significar ver ou olhar, bem como reduzir o tamanho.

Mocada - Porrada.

Mocas - Bogalhos grandes, que devido à força que tinham, limpavam tudo o que aparecia à frente; está cheio de sono; bêbado.

Murraça - Orvalho, chuva miudinha.

N

Nã - Não.

Náálota - Na lota.

Nalguinhas - Homosexual.

Naval - Abreviação do Clube Naval Setubalense.

Nim - Nem.

Nha - Minha.

Nha mãe - Minha mãe.

Nhêrre - Dinheiro.

O

Ó - Ou; ao.

Ógurtes - Iogurtes.

Olho de bode - Bogalho branco, opaco com veios coloridos.

Ome - Homem.

Orinar - Fazer o chichi.

Ostrreire - Ostreiro, viveiro de ostras.

Óspois - Depois.

P

Pa - Pela.

P'á - Para a.

Paéce (ou parréce) - Parece.

Palhace - Palhaço, tipo de isco colorido com anzóis usado para a pesca do choco nas pequenas embarcações, também utilizado como calúnia..."ganda palhace!".

Pampo - Desorientado; parvo.

Panasca - Homosexual.

Panlêre (ou pandelerre) - Homosexual.

Parampo - Espécie de cigarro, mas com droga no seu interior.

Parriga - Rapariga.

Passes (ou pásseres) - Pássaros.

Péis - Pés.

Pelins - Carapau pequeno (em algumas zonas chamados Jaquinzinhos).

Per - Por.

Perrdide - Perdido.

Pérré - Maré vazia ou maré baixa.

Pêxe - Peixe.

Pêxé? - O que é que se passa?

Pêxe assade - Peixe grelhado.

Picolho - Homosexual.

Pigoitas - Bogalhos pequeninos, cuja vantagem era a velocidade, deixando bastante a desejar em termos de força.

Pintelhe - Miúdo; pêlo púbico.

Pírrela - Pílula.

Pirrelite - Pirolito, chupa-chupa; gasosa.

Pó - Para o.

Popa - Rabo, por analogia à proa do barco.

Proa - Vaidade; pedantismo; "apanhar pela proa" – dar de caras com alguém indesejável.

Prosta – Próstata.

Pu - Pelo.

Q

Qué - O que é.

Quelha - Espécie de tubarão pequeno que estragava as redes dos pescadores.

Quenhecem - Conhecem (verbo conhecer).

Quisso - Que isso.

Quitade - Como se disséssemos a alguém, que tem problemas na cabeça.

R

Rabeçadinhe (ou rabeçade) - Rebuçado.

Rájá - Gelado.

Ranhoso - Imbecil; parvalhão.

Réclames - Anúncios publicitários.

Refugo - Coisas compradas em mercados, nos ciganos ou em revendedores; coisas que não valem nada.

Regular - Ter poder de decisão; ter autoridade; mandar; portar-se como deve ser; "O Zé nã regula nada, nem do barque nem em casa".

Rinzes - Rins, órgãos do aparelho urinário.

S

Safo - Desembaraçado; lesto; ou como ironia quando se diz "tás safo!".

Salga-te - Expressão que no fundo, quer dizer "não, não contes comigo!"; "Salga isse!" – significa "esquece lá isso!".

Savêrro - Saveiro (embarcação de pesca).

Savezinha - Se avizinha; se aproxima.

Sê - Sei.

Seguides - penúltimo.

Seguides-seguides - Antepenúltimo.

Sermos (ou sêmes) - Somos.

Sóce - Amigo; senhor; gajo.

Sóice - Sócio de um clube.

Surrvete - Gelado de bolas ou sorvete.

T

Tamém - Também.

Té - Até.

Té ló - Despedida tradicional setubalense.

Ti - Tia.

Tirra - Tira.

Tó - António.

Tóino - António.

Tólinhas - Cabeçudo, alguém com uma grande cabeça.

Tono - António.

Tô - Estou.

Trránêrra - Traineira.

Tude – Tudo.

V

Vêi - Veio (verbo vir).

Véquerrafe - Hovercraft (à uns anos a travessia do Sado, era feita por ferry-boats e por hovercrafts).

Vezinha - Qualquer pessoa feminina com mais idade; vizinha.

Vezinho - Vizinho.

Vidrrinhos - Tipo que usa óculos.

Vigia - Membro da tripulação de uma embarcação que se colocava à proa, sendo incumbido de vigiar o rumo da embarcação, prevenindo a colisão com uma rocha ou barco.

Vita - Vitor.

Vrraãu - Verão.

X

Xárrão - Utensílio de pesca de arrasto.

Xórisse - Chouriço; mas é mais usado para chamar alguém de palerma.

Frases e expressões

Atão? Bein? - Cumprimento tradicional setubalense.

Tá spectáquele! - Está um espectáculo!

Atã miga tude á manêrra? - Então, tudo bem contigo?

As férrriazinhas forem curretinhas. - As férias foram curtas.

Tá da horra! - Está na hora!

Ata nã te lembrrrass q pa mostrrraarr a picha du ome la d cima, tinhames q apanhaarr o angale cerrt? - Então não te lembras, que para vermos a picha do homem de lá de cima, tínhamos que apanhar o ângulo certo? (Em relação à estátua de Bocage).

Fazerr amorr do cú. - Fazer sexo anal.
ROUBADO DO BLOG " SOLDADO da FORTUNA "

16 comentários:

  1. Falta uma expressão muito importante: " 'tão no domingue

    ResponderEliminar
  2. " ' tão no domingue vais à da bola?" Tradução: "No domingo vais ver o jogo de futebol no estádio?"

    ResponderEliminar
  3. Então e aquela do "tás a pôrr munta mantêga do pão! (quer dizer: "Estás a abusar!". :)

    ResponderEliminar
  4. Adorei! Partilho uma frase que gosto muito: levas dôs murres pus beces ca té ficas a fazerr dominó pós dôs lades (levas dois murros na boca que ficas estendido no chão);

    ResponderEliminar
  5. Adorei! Partilho uma frase que gosto muito: levas dôs murres pus beces ca té ficas a fazerr dominó pós dôs lades (levas dois murros na boca que ficas estendido no chão);

    ResponderEliminar
  6. Tens mas corrnes nessa cabeça
    Cum saco cheio de carracois

    ResponderEliminar
  7. Tens mas corrnes nessa cabeça
    Cum saco cheio de carracois

    ResponderEliminar
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  9. Levas uma cabçada do céu da boca fica trres dias a cspir cabelo

    ResponderEliminar
  10. e também o garrganêro da merrda... Garganeiro da merda- Egoísta

    ResponderEliminar
  11. À pá, abe já a boca, que quer dizer, não me chateies :)
    Mas está muito, muito bom. Obrigada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Á pá sóça... Atão mas você na sabe que "abe já a boca" querr dzêrr "na qurrias mái nada" ou même "isse qurrias tu"??

      Ex: "E ê agorra é que tinha dirr bescarr as coisas du menine... Õõõlha... Abe já a boca!!!"

      Eliminar
  12. Muito bom!! Parabéns. tenho mais uma :
    " apa soce já te tas a mandarr pa forra de pé'" significa " já estás a abusar "
    Abrrace

    ResponderEliminar
  13. Muito bom!! Parabéns. tenho mais uma :
    " apa soce já te tas a mandarr pa forra de pé'" significa " já estás a abusar "
    Abrrace

    ResponderEliminar